Você está aqui: Página Inicial > Contents > Notícias > Palestra Internacional: "No Caminho para Casa" com Ângela Saldanha da Faculdade de Belas Artes – Universidade de Porto, Portugal | CCTA UFPB
conteúdo

Notícias

Palestra Internacional: "No Caminho para Casa" com Ângela Saldanha da Faculdade de Belas Artes – Universidade de Porto, Portugal | CCTA UFPB

Centro de Comunicação Turismo e Artes da Universidade Federal Paraíba através da Pinacoteca promoverá uma palestra internacional "No Caminho para Casa" no dia 18 de novembro, às 19:00 horas, no Laboratório de Pintura do CCTA. O principal público-alvo são profissionais da área, além de outros interessados no tema. A entrada é gratuita.
publicado: 19/11/2015 15h51, última modificação: 24/11/2015 05h42

A palestra “No caminho para casa – um estudo a/r/tográfico de recolha de memórias numa comunidade informal” - projeto realizado com e na comunidade de Gulpilhares em Vila Nova de Gaia, Portugal - será proferida por Ângela Saldanha, do Instituto de Investigação em Artes, Design e Sociedade da Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto em Portugal, .

Neste estudo foi desenvolvida uma investigação qualitativa que integra metodologias baseadas nas artes e na a/r/tografia.

A Mercearia da Avó Miquinhas, lugar de encontros e afetos da comunidade, é o ponto de partida e a base para a participação e colaboração de sete intervenientes que formam o núcleo que sustenta todo o trabalho. As memórias, conhecimentos, sonhos e desejos destas pessoas que ajudaram a construir os passos de um caminho conjunto e colaborativo onde as relações, os afetos e os sentidos sensoriais ganham especial importância.

Neste trabalho colaborativo de construção de conhecimento sobre a comunidade, sem limites temporais, o ponto de partida foram as memórias de sete intervenientes iniciais, habitantes da mercearia da comunidade. Os relatos foram gradualmente incorporando outros relatos, multiplicando as estórias em ações artísticas por outros sete intervenientes de acordo com as vontades da comunidade.

O seu âmbito é alargado numa teia de relações afetivas que se manifestam como essência e mote para uma cartografia mais próxima da história de uma comunidade e que se materializa numa exposição, devolvendo uma outra e nova história, experimentando modelos de vivência social e experiências colaborativas através das artes que se podem constituir noutros caminhos, noutras teias ou mapas de convivência intergeracional.

Os caminhos percorridos são descritos não só com o uso da palavra escrita mas também com a utilização de instrumentos e ferramentas da arte contemporânea que permitem documentar e analisar a oralidade, os sons, os gestos, os silêncios, a poesia, o tato, a imagem, a imaginação e os entre-lugares que unem todas estas memórias, experiências de vida e sensações e nos conduzem a um Lugar a que damos o nome de “Casa”.

Este percurso é contado, na tese de doutorado da autora, como a expressão dos afetos e sem as limitações da história escrita, recriando mapas (por caminhos experienciados) que nos levam para a Nossa Casa.