Você está aqui: Página Inicial > Contents > Menu > Antropologia > Grupos de Pesquisa

Grupos de Pesquisa

por Antropologia publicado 28/09/2017 21h30, última modificação 22/12/2017 09h40

AVAEDOC – Antropologia Visual, Artes, Etnografias e Documentários

O AVAEDOC é um grupo de pesquisa (cadastrado no diretório do CNPq) sediado no campus IV da UFPB, município de Rio Tinto. Trabalha com ensino, pesquisa e extensão, com encontros que ocorrem sempre na primeira e terceira quinta-feira de cada mês. Neles são discutidos projetos fílmicos e de pesquisa, debatidas questões relativas à teoria antropológica, suas metodologias e técnicas de pesquisa etnográfica, com acento na discussão em torno da produção de imagens. O grupo é formado por estudantes e professores do curso de antropologia de Rio Tinto e outros parceiros, professores e estudantes de outros cursos, técnicos administrativos, cidadãos da comunidade, trabalhadores da limpeza, interlocutores de vários lugares e de várias vivências culturais. Trabalha-se com pesquisa e criação coletiva e colaborativa, horizontal e participativa, sob a perspectiva do desenvolvimento crítico de uma antropologia compartilhada, tendo como sonho contribuir para uma ciência e uma arte libertárias.
 

GETI – Grupo de Estudos em Território e Identidade.

O GETI (Grupo de Estudos em Território e Identidade) é um grupo do Diretório de Pesquisas do CNPQ criado em 2011 e ligado à Universidade Federal da Paraíba. Reúne pesquisadores que têm trabalhado com problemáticas concernentes ao território, em vertentes relacionadas à conformação de identidades étnicas (indígenas e quilombolas) e de tradições de conhecimento, e a processos sociotécnicos, entre outras questões, nas quais o ambiente e as relaçoes de poder se apresentam como aspectos fundamentais nas interações dos sujeitos envolvidos. Os empenhos de produção de conhecimento de seus integrantes centram também a atenção sobre aspectos éticos da pesquisa  e sobre o papel que estes revestem, tanto no interior quanto para fora dos muros acadêmicos. Assim, os resultados científicos obtidos e a expertise alcançada por seus integrantes são colocados à disposição da sociedade civil e de instituições do Estado, contribuindo em processos administrativos e judiciais concernentes ao reconhecimento e à garantia de direitos das comunidades pesquisadas (e para além delas).
 

GRUPESSC – Grupo de Pesquisa em Saúde, Sociedade e Cultura

O Grupo de Pesquisa em Saúde, Sociedade e Cultura (GRUPESSC) possui como objetivo principal a produção de conhecimento sobre as relações entre cultura, sociedade e práticas de saúde. Trata-se de um grupo multidisciplinar que aglutina pesquisadores docentes e discentes da UFPB nas áreas das Ciências Sociais e da Saúde. Assim, busca-se compreender os processos sócio-culturais relacionados ao campo da saúde, isto é, processos que estão inscritos direta ou indiretamente nas próprias práticas de saúde. Pretende-se ainda investigar os aspectos sociais, políticos e culturais que incidem e formam o campo temático e complexo da saúde coletiva. Ementa: processos sócio-culturais relacionados ao campo da saúde; instâncias mediadoras entre ações sociais, práticas e modelos de atenção em saúde; identidades individuais e coletivas no campo da saúde; relações de gênero e a influência do sexo e da sexualidade na saúde. As atividades do GRUPESSC incluem: 1. a realização de pesquisa sobre temáticas diversas na interface saúde, sociedade e cultura; 2. a divulgação de conhecimento por meio de publicação de artigos e organização/participação em eventos científicos; 3.a qualificação de profissionais na área de ciências sociais da saúde; 4. a orientação de discentes da graduação e da pós-graduação no campo das ciências sociais e da saúde; 5. a colaboração com instituições e programas de saúde no planejamento, implementação e avaliação de políticas públicas de saúde; 6. a produção de projetos de extensão com ênfase na relação saúde e sociedade.
 

Grupo de Pesquisa sobre Leibniz e o Leibnizianismo

O Grupo de Pesquisa sobre Leibniz e o leibnizianismo tem como referência o filósofo do século XVII e seu alcance histórico, tanto nas releituras da Filosofia Antiga e medieval, quanto na filosofia da contemporaneidade e da pós-modernidade. O pensamento leibniziano, em seu aspecto simples e complexo, representa uma enciclopédia importante na História da Filosofia e todas as suas áreas. Por essa razão, como um sistema aberta e não menos rigoroso, e ainda, como um pensamento capaz de estabelecer o diálogo em várias outras frentes do saber, Leibniz torna-se o núcleo que pode vir a agregar os mais diversos temas e filosofias no processo de reflexão filosófica.
 

GUETU – Grupo de Pesquisa em Etnografias Urbanas

O GUETU - Grupo de Estudos e Pesquisas em Etnografias Urbanas está vinculado à Universidade Federal da Paraíba. O grupo foi fundado em 2008 com o objetivo de reunir estudantes, pesquisadores e professores no campo das ciências sociais e áreas afins, interessados em discutir questões relacionadas aos modos de vida urbanos e práticas culturais vivenciados nas cidades e na relação entre campo e cidade, observados a partir das experiências etnográficas desenvolvidas pelos membros vinculados ao grupo. Atualmente seu maior interesse é a produção e refinamento de dados etnográficos sobre cidades e modos de vida urbano em cidades da Paraíba e do Nordeste do Brasil; suas atividades tão organizadas em três linhas de pesquisa: Manifestações Urbanas e Audiovisual, Marcadores Sociais da Diferença e Apropriações e Interações em Espaços Públicos - sociabilidades e lazer.
 

LAPA – Laboratório de Antropologia, Política e Comunicação

O LAPA - Laboratório de Antropologia, Política e Comunicação é formado a partir da experiência de trabalho de professores de duas instituições de ensino superior (Universidade Federal da Paraíba e Universidade Federal do Rio Grande do Norte) a fim de fortalecer a produção de pesquisas antropológicas que ampliem o conhecimento sobre relações sociais, políticas e históricas de grupos étnicos e comunidades tradicionais. O laboratório estuda a organização social e política em comunidades étnicas e tradicionais, valorizando as alianças e mediações envolvidas na constituição de identidades sociais específicas, com destaque para relação com o Estado e políticas sociais constituídas. Tencionamos ainda aprofundar estudos em etnicidade e cultura, memória e historicidades. Daremos atenção especial à linguagem audiovisual, dada a crescente importância desta nas pesquisas antropológicas. Temos como linhas de pesquisa: 1. Antropologia, Memória e História. 2. Etnicidade, Cultura, Comunicação e Política de Conhecimento. 3. Política, territorialização e administração pública. 4. Processos Identitários e movimentos sociais.