Você está aqui: Página Inicial > Contents > Menu > História
conteúdo

História

por IPEFARM publicado 06/08/2018 14h35, última modificação 06/11/2019 13h23

Imagens aéreas do IPeFarM

 

História da pesquisa em fármacos e medicamentos na UFPB


O Laboratório de Tecnologia Farmacêutica (LTF) foi criado em 1968 para ser um laboratório de produção de medicamentos oficial do Brasil e tinha como lema "Ensinar Fazendo". Sua missão universitária era formar farmacêuticos industriais com experiência de chão de fábrica no nordeste brasileiro. O mentor da ideia foi o Professor Delby Fernandes Medeiros, que dirigiu o LTF até o início da década de 90.

Em 1978, a UFPB, através de proposta encaminhada pelo Prof. Delby Fernandes Medeiros, criou o Curso de Mestrado em Farmacologia e Química de Produtos Naturais, sendo pioneiro no Brasil. Em 1998, o mestrado foi transformado no Programa de Pós-Graduação em Produtos Naturais e Sintéticos Bioativos, nos níveis de Mestrado e Doutorado, classificado atualmente no nível 6 da Capes, qualidade internacional e o único no Nordeste na área farmacêutica.

Em 2011, por decisão da então administração da Reitoria, o LTF foi extinto, com prejuízos imensos para a pesquisa farmacêutica na Paraíba e no Brasil.

No entanto, em 2014, para recuperar a história e a estabilidade da pesquisa farmacêutica da UFPB, foi criado o Instituto de Pesquisa em Fármacos e Medicamentos da UFPB (IPeFarM-UFPB), Resolução 15/2014 – CONSUNI - que incorporou toda a estrutura do antigo LTF e mais novas estruturas criadas após a extinção do LTF.


IPeFarM


O IPeFarM-UFPB tem como missão pesquisar, desenvolver e produzir fármacos naturais e sintéticos, medicamentos naturais e sintéticos, desenvolver tecnologias analíticas e de produção de medicamentos/fitoprodutos e realizar estudos clínicos de medicamentos e produtos para saúde destinados ao consumo humano.

 

Estrutura do IPeFarM

O organograma do IPeFarM mostra a sua infraestrutura física e de pessoal para a pesquisa e produção farmacêutica no Estado da Paraíba/Nordeste/Brasil.

A Resolução 15/2014-CONSUNI que dispõe sobre a Criação do Instituto de Pesquisa em Fármacos e Medicamentos mostrou a firme decisão da Universidade Federal da Paraíba de reconhecer as competências dos diferentes pesquisadores da área farmacêutica integrantes da UFPB e de permitir que as diferentes infraestruturas físicas fossem integradas em um único órgão, viabilizando, assim, a elaboração de projetos integrados com vistas aos estudos da planta ao medicamento para consolidar a expertise dos grupos de pesquisa da área farmacêutica na Universidade Federal da Paraíba.

 

Programas de Pós Graduação com atividades no IPeFarM

  • Programa de Pós-Graduação em Produtos Naturais e Sintéticos Bioativos – Níveis Mestrado e Doutorado – Conceito 6 na CAPES – O único na área de Farmácia no Nordeste – Norte.
  • Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Inovação Tecnológica em Medicamentos – Nível Doutorado – Conceito 4 na CAPES – Programa em associação/rede entre a UFPB – UFRN – UFC – UFRPE.

 

Associação em entidades

O Instituto de Pesquisa em Fármacos e Medicamentos resgatou a sua participação como Associado, perdida quando da extinção do LTF, na ASSOCIAÇÃO DOS LABORATÓRIOS FARMACÊUTICOS OFICIAIS DO BRASIL – ALFOB, entidade que congrega todos os laboratórios oficiais de produção farmacêutica no Brasil e parceira do Ministério da Saúde – Secretaria de Ciência e Tecnologia e Insumos Estratégicos. 

 

Logo.JPG

 

Projetos em Execução no IPeFarM

 

REDE NORTE NORDESTE DE FITOPRODUTOS

Após a criação do IPeFarM, o MCTIC/CNPq/CAPES/FAPs lançaram a chamada pública para as instituições científicas e tecnológicas apresentarem projetos com qualidade internacional para se candidatem como Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia. O IPeFarM dá suporte aos Programas de Pós-Graduação na área farmacêutica com expertise em plantas medicinais, organizou um escopo do projeto para estruturação de uma Rede Norte Nordeste de Fitoprodutos, em que ele entraria como a sede pela sua estrutura acumulada em mais de 40 anos.

A proposta foi apresentada na Chamada INCT – MCTI/CNPQ/CAPES/FAPs Nº 16/2014, tendo a visão de otimizar os estudos com plantas medicinais para o desenvolvimento dos fitoprodutos. A proposta foi aprovada e teve o seu financiamento liberado no final de 2016.

 

CENTRO NACIONAL MULTIUSUÁRIO

A Diretoria de Pesquisas em Química absorveu a estrutura do Laboratório Multiusuário de Análise e Caracterização, financiado em vários CTINFRAs. Em 2016, o coordenador do LMCA Prof. Marcelo Sobral da Silva submeteu uma proposta para a FINEP visando concorrer na chamada Centro Nacional Multiusuário (CNM), tendo sido aprovada, e está em execução. Com equipamentos analíticos de grande porte, o CNM atende a UFPB e a vários outros usuários do Estado da Paraíba e do Nordeste nas análises de RMN, Espectrometrias de Massa e Cromatografias.

PLATAFORMA DE PESQUISA E PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE INSUMOS FARMACÊUTICOS ATIVOS VEGETAIS

Em 2016 a ALFOB iniciou as discussões sobre as expertises dos laboratórios associados para definição das prioridades de uma rede. Naquele momento o IPeFarM definiu-se pela plataforma de fitoterápicos e apresentou esta proposta ao Ministério da Saúde/SCTIE na primeira reunião com o Ministro Ricardo Barros, em 2016. A proposta foi acolhida e a plataforma de fitoterápicos foi aprovada no Grupo Executivo do Complexo Industrial da Saúde daquele ano.

Em 2018, o IPeFarM apresentou à SCTIE/DECIIS um projeto para a implantação da Plataforma de Produção Industrial de Insumos Farmacêuticos Ativos Vegetais e foi aprovado com financiamento inicial para aquisição de equipamentos e adequação da área física já existente no IPeFarM

PLATAFORMA DE PESQUISA E PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE INSUMOS FARMACÊUTICOS ATIVOS PEPTÍDICOS

Em 2016, o IPeFarM iniciou discussão com a Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia sobre uma parceria de transferência de tecnologia para produção de peptídeos com o objetivo de produção inicial do insumo farmacêutico ativo octreotida, um componente de alto custo do Ministério da Saúde. As discussões tiveram prosseguimento e um instrumento de Cooperação Técnica foi acordado.

Em 2018, o IPeFarM apresentou a SCTIE/DECIIS um projeto para a implantação da Plataforma de Produção Industrial de Insumos Farmacêuticos Ativos Peptídicos e foi aprovado com financiamento inicial para aquisição de equipamentos e adequação da área física já existente no IPeFarM.

PESQUISA CLÍNICA

A Diretoria de Pesquisas Clínicas absorveu o Edifício do Centro de Pesquisa Clínica e Farmacoterapia que estava em construção, financiado com recursos do CTINFRA 2008, tendo se empenhado na sua finalização com recursos próprios.

Utilizando recursos de outros projetos, a estrutura clínica está sendo organizada para ser um grande centro de pesquisa clínica.

Em 2018, o IPeFarM apresentou um projeto a Plataforma Brasil intitulado Perfil Termográfico dos Pacientes com Queixas Inflamatórias, o qual foi aprovado no mesmo ano. O convite para inclusão dos pacientes se encontra na página do IPeFarM. 

O IPeFarM discute neste ano de 2019 a implantação de uma linha de pesquisa em doenças raras inflamatórias envolvendo as atividades de diagnóstico e monitoramento da eficácia terapêutica dos pacientes em tratamento. Esta linha de pesquisa incorporará pesquisadores do Centro de Ciências Médicas da Universidade Federal da Paraíba, além de pesquisadores colaboradores de outras instituições nacionais com expertise na área.