Você está aqui: Página Inicial > Contents > Notícias > TV UFPB estreia em 2018 minissérie “O Sumiço de Santo Antônio”
conteúdo

Notícias

TV UFPB estreia em 2018 minissérie “O Sumiço de Santo Antônio”

Imagine uma cidade sem problemas ambientais, políticos, econômicos e sem desigualdades sociais. Uma local onde as pessoas vivem sossegadas e felizes, mas que devido ao desaparecimento de um santo casamenteiro...
publicado: 04/08/2017 15h09, última modificação: 05/12/2018 12h17

Imagine uma cidade sem problemas ambientais, políticos, econômicos e sem desigualdades sociais. Uma local onde as pessoas vivem sossegadas e felizes, mas que devido ao desaparecimento de um santo casamenteiro, passa a viver uma mudança ocasionada por vários personagens e suas tramas.

 

Do pensamento fictício aos sonhos imaginários dos paraibanos e demais brasileiros, essa metrópole está sendo construída aqui na Paraíba. Trata-se da “Cidade do Amor”, retratada na minissérie “O Sumiço de Santo Antônio”, que será exibida em 2018, na TV UFPB, associada à TV Brasil, no canal aberto 43 UHF e na NET, canal 22.

 

Na produção do programa estão trabalhando uma equipe multiprofissional e estudantes em formação das áreas de Teatro, Rádio e TV, Cinema e Mídias Digitais da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). São diretores nas mais diversas áreas alguns profissionais da TV UFPB. A figurinista Karin Picado, o músico e professor Carlos Anísio, a atriz Zezita Mattos, e o ator Osvaldo Travassos, entre outros, foram convidados para compor a equipe técnica e o elenco.

 

As filmagens do espetáculo começaram no mês de junho deste ano nas cidades de Cabedelo e João Pessoa, com gravações programadas nas cidades Conde e Areia. O elenco reúne 35 atores, entre estudantes, iniciantes e profissionais de renome nacional, mas a produção envolve 70 pessoas.

 

A minissérie está vinculada ao “Projeto de Extensão Experiências Criativas na TV”, criado no ano de 2016, que reforçando o compromisso da UFPB com a educação, zela pela produção de obras televisivas relevantes para a população paraibana, que reflitam a realidade e valorizem a identidade cultural, utilizando recursos da teledramaturgia, do jornalismo e das formas de artes midiáticas contemporâneas.

 

Cely Farias, é diretora de Artes Cênicas da TV UFPB e também a diretora da minissérie “O Sumiço de Santo Antônio”. Em entrevista a Agência de Notícias (AgN) da UFPB, ela conversou sobre vários aspectos, etapas e parcerias feitas no andamento do projeto.

 

AgN/UFPB: Na verdade o que retrata o “Sumiço de Santo Antônio” e porque foi escolhido este nome?

 

Cely Farias: A minissérie "O Sumiço de Santo Antônio" retrata o dia a dia da cidade fictícia de Vila Pequena, também conhecida como "A cidade do amor", lugar pacato e distante onde as pessoas são tranquilas e felizes. Mas eis que, nas vésperas da festa de Santo Antônio, padroeiro da cidade, a imagem do santo desaparece da igreja local, desencadeando desta forma uma grande investigação na pequena cidade. Por causa das crendices populares que envolvem o santo casamenteiro, todas as mulheres solteiras passam a ser suspeitas e por isso interrogadas pela delegada local. Constitui-se assim um pano de fundo para emergirem os diversos personagens e suas tramas, muito presentes em histórias populares, como o coronel ambicioso, o prefeito e a primeira dama com seus conchavos políticos, o mocinho e a mocinha num romance proibido, as fofoqueiras da janela, a chegada do forasteiro, entre outros. O nome dado à minissérie é o mesmo escolhido pelo autor da radionovela que serviu de mote inicial para o desenvolvimento do roteiro, Caio Felix. Optamos por manter o nome original também por ser o sumiço do santo o fato principal que desencadeia toda a narrativa da obra.

 

AgN/UFPB: Aonde serão realizadas as filmagens dessa minissérie? O programa é compreendido em quantas etapas?

 

Cely Farias: As filmagens já iniciaram desde o mês de junho. Fizemos algumas cenas no município de Cabedelo e também em João Pessoa, e em breve gravaremos no Conde. Estamos planejando ainda filmagens no município de Areia. A minissérie está dividida em dez episódios de trinta minutos.

 

AgN/UFPB: Por que a cidade de Cabedelo foi escolhida como um dos locais para as filmagens dessa minissérie?

 

Cely Farias: O município de Cabedelo foi escolhido dentre as locações da minissérie por apresentar alguns espaços preservados, cujas características contribuem para a estética proposta pela minissérie, a qual pretende representar o imaginário popular da típica cidade pequena do interior. É claro que a escolha das locações é dinâmica, assim com está sendo a construção do roteiro, e depende ainda de outros fatores como apoio local, logística de transporte, etc.

 

AgN/UFPBSem dúvida, uma produção desse quilate exige a escolha de equipes artística e técnica profissional competente. Como se deu a escolha dessas equipes?

 

Cely Farias: Temos como diretores nas mais diversas áreas alguns profissionais da TV UFPB, que já têm grande experiência em produções audiovisuais, a exemplo de Valeska Picado, Niutildes Batista, Haley Guimarães e Mônica Brandão. Esta equipe já vem trabalhando em outras produções de teledramaturgia na TV UFPB e formou-se num processo natural de identificação com esse tipo de produção. Além destes, outros profissionais da área foram convidados para compor a equipe técnica e o elenco, como a figurinista Karin Picado, o músico e professor Carlos Anísio, a atriz Zezita Mattos, o ator Osvaldo Travassos, entre outros.

 

AgN/UFPB: O trabalho envolve uma equipe multiprofissional e estudantes em formação das áreas de Teatro, Rádio e TV, Cinema e Mídias Digitais, entre outras. Como se deu a capacitação desse pessoal que está trabalhando na minissérie?

 

Celly Farias: Uma vez que esta produção é uma das atividades do Projeto de Extensão Experiências Criativas na TV, o foco principal é a formação prática de novos profissionais na área. Desta forma, foram oferecidas oficinas de fotografia, som direto, roteiro, direção de arte, figurino, maquiagem e produção tanto para alunos da UFPB quanto para a comunidade externa interessada, confirmando assim o caráter extensionista do projeto. A partir das oficinas oferecidas foram formadas equipes de trabalho para cada uma das áreas, onde os aprendizes estão colocando em prática o conhecimento adquirido, vivenciando uma produção profissional desde a sua concepção até sua finalização. Outras oficinas ainda serão oferecidas no decorrer do projeto, que segue até o final do ano.

 

AgN/UFPBQuais os segmentos universitários, as entidades parceiras envolvidas e quanto tempo levou a elaboração do projeto voltada a essa produção?

 

Cely Farias: Embora a realização esteja sendo feita pela TV UFPB, onde obtivemos total apoio do Superintendente de Comunicação Social, Bob Vagner, não poderíamos dar andamento ao projeto sem a colaboração das diversas parcerias que temos feito ao longo do projeto. Dentre elas destacamos: Departamento de Artes Cênicas; Núcleo de Teatro Universitário (NTU); Laboratório Audiovisual de Produção (LAP); Departamento de Música (DEMUS); Grupo de Teatro Engenho Imaginário; Grupo Graxa de Teatro; Escola Fazendo Arte; Coletivo Atuador; Secretaria de Cultura de Cabedelo; Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU); Coordenação de Desenvolvimento de Pessoas (CEDESP/UFPB); Núcleo de Documentação Cinematográfica (NUDOC/UFPB). Outros apoiadores certamente surgirão neste processo e é de grande importância que possamos contar com o comprometimento de cada um deles para proporcionar esse espaço de aprendizado para os alunos da UFPB, além da geração de um produto televisual de qualidade.

 

AgN/UFPBQual o custo financeiro de toda essa produção e quem a custeia?

 

Cely Farias: Infelizmente não dispomos de recursos financeiros específicos para esta produção, sendo ela toda realizada com a colaboração dos participantes. A TV UFPB dispõe de profissionais, estagiários e equipamentos, estes também são oferecidos pelo LAP, e a logística de transportes é oferecida pela UFPB. O elenco e os demais integrantes da equipe técnica participam voluntariamente, como exercício prático das oficinas ministradas. Os parceiros colaboram então com demais produtos e serviços demandados no processo.

 

AgN/UFPBComo você já mencionou, a minissérie faz parte do “Projeto Experiências Criativas na TV”? Quais os objetivos desse Projeto? Quais os resultados esperados?

 

Cely Farias: O “Projeto de Extensão Experiências Criativas na TV”, criado no ano de 2016, como parte da minha pesquisa de mestrado "Experiências de Criação Cênica com Atrizes e Atores na Televisão", concluída em Março de 2016 pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), é um espaço de experimentação no campo audiovisual onde artistas, comunicadores e estudantes das áreas de Teatro, Cinema, Rádio e TV, Jornalismo e Mídias digitais tem a oportunidade de vivenciar os mais variados processos de produção televisual. Ações de formação, como cursos, oficinas e palestras, são realizadas no intuito de proporcionar um desenvolvimento da área com reverberações nas produções atuais da TV UFPB e demais criações realizadas pelos participantes do projeto. O escopo de profissionais qualificados presentes nos quadros da televisão universitária facilita o acesso dos participantes às formas de produção em televisão, em processos criativos colaborativos onde as experiências individuais são valorizadas na busca por uma criação coletiva, autoral e artística. Respeitando o compromisso da UFPB com a educação, o projeto preza pela produção de obras televisuais relevantes para a população paraibana, que reflitam nossa realidade e valorizem nossa identidade cultural, a partir da utilização de recursos da teledramaturgia e do jornalismo, além das formas de artes midiáticas contemporâneas.

 

AgN/UFPBEntre toda essa gente boa que está trabalhando com você, dá para destacar alguns nomes de importância e que tenham contribuído para o desenvolvimento do movimento artístico e cultural da Paraíba?

 

Cely Farias: É importante ressaltar a característica formativa do projeto que se revela não apenas na realização dos cursos, oficinas e palestras, mas também pelo intercâmbio de conhecimento entre os profissionais envolvidos, que lidam diretamente com aqueles que ainda estão iniciando na área, já que este é o primeiro trabalho audiovisual de muitos dos participantes. O elenco, por exemplo, conta com 35 atores, dentre estudantes, iniciantes e profissionais já consolidados no mercado e reconhecidos nacionalmente. Nomes como Zezita Mattos, Osvaldo Travassos, Mônica Macedo, Maria Betânia e Rosa Carlos, que já atuam no teatro há muitos anos, assim como os mais recentes.