Você está aqui: Página Inicial > Contents > Notícias > Sonaly de Lima Silva, membra do grupo de pesquisa CESET, defendeu sua dissertação no LAT.

Notícias

Sonaly de Lima Silva, membra do grupo de pesquisa CESET, defendeu sua dissertação no LAT.

publicado: 10/09/2018 10h06, última modificação: 10/09/2018 10h36

No dia 30 de Agosto de 2018, às 15h, Sonaly de Lima Silva, orientada pelo professor Luiz Bueno da Silva, defendeu a sua dissertação de mestrado que foi produzida no Laboratório de Análise do Trabalho (LAT). A seguir, está o resumo da dissertação, que foi intitulada de "Avaliação dos Níveis de Radiação não Ionizante em Ambientes de Trabalho de uma Universidade Brasileira".

RESUMO

"A radiação não ionizante (RNI) é um tipo de radiação eletromagnética e está presente nos mais variados ambientes por meio de diversas fontes como computadores, impressoras, notebooks, telefones, rede de distribuição elétrica, transformadores de energia elétrica, micro-ondas e outros eletroeletrônicos. Apesar de não gerar ionizações desperta o cuidado quanto à exposição dos funcionários nos ambientes de trabalho providos de equipamentos eletrônicos. A Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer declarou em um relatório de 2002 que a exposição à radiação eletromagnética é possivelmente cancerígena para os seres humanos.

Diversos estudos vêm sendo realizados buscando identificar a correlação entre a exposição do homem à RNI e o desenvolvimento de diversas patologias. Dessa forma, ambientes de trabalho providos por equipamentos eletrônicos podem expor seus funcionários a problemas de saúde. Dentro desta perspectiva este artigo apresenta uma avaliação dos níveis de radiação não ionizante em ambientes de trabalho portadores de VDT e outros recursos eletrônicos, analisando as características destes níveis de RNI à exposição do trabalhador no ambiente laboral. Foram selecionadas quatro salas da Universidade Federal da Paraíba, duas secretarias, um laboratório de estudos e uma sala de informática, todas com características internas diferentes: quantidade de equipamentos e de funcionários, layout, área e localização. Realizou-se um mapeamento da densidade de fluxo magnético nos ambientes de trabalho e sob uma distância de 1 metro foram determinados pontos no ambiente a serem medidos em seis intervalos de faixas de frequências: 1-8Hz, 8-25Hz, 25-50Hz, 50-400Hz, 400-3kHz, 3kHz-30kHz. Foram elaboradas análises descritivas gráficas dos níveis de densidade de fluxo magnético encontradas em cada ambiente, bem como sua oscilação em cada intervalo de faixa de frequência. Outra análise quanto a densidade de fluxo magnético, especialmente as mensuradas próximas aos funcionários voltou-se para a representação dos níveis de densidade ao longo do tempo, por meio de distribuição probabilística. Simultaneamente, foram coletados os perfis e relatos de queixas dos funcionários que desempenham suas atividades nesses locais através de questionários abordando perguntas acerca da vida profissional, das características de suas atividades ocupacionais, da prática de atividade física, hábitos de vida, e sintomas percebidos ao longo e posterior ao dia de trabalho. Tabelaram-se os dados do questionário e fez-se uma análise descritiva desses dados para identificar as características das pessoas que exercem atividades nos ambientes de trabalho. Para verificação de possíveis danos à saúde do trabalhador indicados pelo aquecimento da pele, obteve-se imagens térmicas de um funcionário, considerado apto ao estudo, pois possibilitou o cumprimento das normatizações para obtenção desses termogramas durante o período de exposição a RNI em seu ambiente de trabalho. Estas imagens foram analisadas com auxílio do software Matlab para verificação quantitativa do aumento de temperatura da pele, apresentada nas imagens. Constatou-se que os ambientes que possuem características internas diferentes apresentam densidade de fluxo magnético que variam de acordo com o (1) posicionamento, o tipo e a quantidade das fontes de RNI internas ao ambiente; o (2) layout e distribuição dessas fontes no ambiente; e (3) fatores externos, como a presença de quadros de energia elétrica. Funcionários inseridos nos ambientes de maior densidade de fluxo magnético apresentaram relatos quanto a estresse e mal-estar. Porém do mapeamento térmico que permitiu avaliar a indução de campo magnético gerado no tronco, membros superiores, cabeça e pescoço do funcionário constatou baixa relação entre a variação térmica e a densidade de fluxo magnético."

Palavras-chave: Campos eletromagnéticos; ambientes com equipamentos eletrônicos; problemas de saúde; efeitos de campos eletromagnéticos, campos de extrema baixa frequência, densidade de fluxo magnético, termografia infravermelha.