Você está aqui: Página Inicial > Contents > Publicações > Artigos > PAISAGENS, GEOSSÍMBOLOS E DIMENSÕES DA CULTURA EM COMUNIDADES QUILOMBOLAS
conteúdo

PAISAGENS, GEOSSÍMBOLOS E DIMENSÕES DA CULTURA EM COMUNIDADES QUILOMBOLAS

por Maria de Fátima Ferreira Rodrigues última modificação 28/11/2016 13h13
Publicado na Mercator, Fortaleza, v. 10, n. 22, p. 103-121, mai./ago. 2011. Resumo: Este trabalho tem como objetivo interpretar as estratégias de resistência de comunidades quilombolas da Paraíba, com destaque para alguns aspectos da memória social que coloca em cena a alteridade, e também conquistas decorrentes de processos organizativos fundados num ideal democrático, cujos argumentos políticos estão respaldados em pressupostos históricos e em Tratados Internacionais ratifi cados pelo Estado brasileiro. Adotamos como referência para a pesquisa, duas escalas de análise: a escala estadual, com a qual trabalhamos a pesquisa documental e dados quantitativos, aportados em órgãos e portais especializados, e a escala local com a qual trabalhamos as comunidades de Caiana dos Crioulos, Pitombeira e Paratibe. Utilizamos como principais referências teóricas ANJOS (2006), RATTS (2003) e ARRUTI (2003), para abordarmos o território e a questão étnica; ALMEIDA (2004), HAESBAERT (2004a, 2008b) e ANDRADE (1995), para discutirmos o território do ponto de vista institucional e simbólico; ancoramos-nos em HALBWACHS (1990), BOSI (1992) e LE GOFF (1994) para registrar aspectos signifi cativos da memória coletiva, dada a sua importância no processo identitário e, para nos fundamentarmos sobre os procedimentos adequados a uma abordagem oral na pesquisa, buscamos apoio em QUEIROZ (1988) e AMADO, J.; FERREIRA, M.M. (2001).